Home / Colunas / A fotografia é muito mais que um artigo de luxo

A fotografia é muito mais que um artigo de luxo

Por: Heitor Carlos

Qual o valor da fotografia?

A fotografia é muito mais que um artigo de luxo

Hoje pela manhã acordei com uns pensamentos que me fizeram refletir sobre a importância de algo que hoje em dia, vem tão desgastado devido a tecnologia. Saudosamente, lembrei dos meus avós! Lembrei de algo que ainda os tornavam bastante vivos em minha memória. Vi seus rostos felizes numa fotografia ainda em preto e branco e por um momento, me vi emocionado –  por saber que a única recordação que tenho deles, era aquela simples fotografia. Durante todo o dia fiquei reflexivo, pensando no poder que a fotografia tem.

Diante disso, uma questão chave veio à minha cabeça: qual o valor de uma fotografia? Não é difícil obter a resposta. Quem de nós não tem em casa aquela foto de um aniversário ou casamento em que todos sorriram felizes num momento que ficou eternizado pelo click de um fotógrafo? Ou aquela foto antiga, de um momento especial e que ao olhar, com os olhos marejados, nos damos conta que alguma pessoa querida que sorri na foto, não está mais conosco? É meus amigos, a fotografia é muito mais do que artigo de luxo! São olhares, que dão início a toda uma eternidade de lembranças.

Imagem da primeira fotografia permanente do mundo feita por Nicéphore Niépce, em 1826.

Estudos apontam, que a primeira fotografia reconhecida foi em 1826, tirada pelo francês Joseph Nicéphore Niepce. Porém, a criação da fotografia não pode ser direcionada à um único autor.

O  conceito de fotografia vem do grego [“fos”] que significa “luz”, e [“grafis”] que significa “estilo, pincel”.

Ou seja, desenhar com luz e contraste. Durante  vários anos, cientistas tentaram criar algo que pudesse refletir a imagem humana ou paisagens em papel. Utilizando de ciências químicas e físicas, conseguiram criar a primeira câmera fotográfica, sendo o mais antigo conceito de câmera, o da “câmera escura”, utilizada já no século XVI por Giovanni Baptista Della Porta, conhecido por todos com Leonardo da Vinci, que já esboçava pintura utilizando desta técnica.
Porém, o registro da primeira câmera fotográfica utilizada, aconteceu no meado do século XIX, com o também francês Daguerre, que apresentou sua câmera à Academia Francesa de Ciência, em Paris. Sua criação ficou conhecida como Deguerreótipo, levando seu nome na assinatura.

Não há registros sobre quem foi Monalisa, uma das mais famosas obras de todos os tempos, de autoria de Leonardo da Vinci. Porém, há hipóteses sobre ser a imagem idealizada de mulher para o pintor ou até mesmo ser um auto-retrato de Da Vinci.

Mais atual do que nunca, a era digital chegou. O tempo todo, atualizações ocorrem; seja em aparelhos celulares ou desktops. A internet se tornou um dos mais utilizados meios de arquivamento de fotografias. Com a popularização das redes sociais, se tornou cada
vez mais frequente a exibição de álbuns de fotografias online. Mas, será mesmo que podemos confiar nossos momentos eternizados numa rede social? Não! A todo tempo são lançados novos programas, novos aplicativos e com isso, a instabilidade do programa utilizado atualmente. Vamos recordar: quantas fotos tínhamos no Orkut? A rede social viralizada durante anos, porém caiu no esquecimento com o crescimento do Facebook, levando à sua desativação, em Outubro de 2014.

O que quis evidenciar, é o valor de uma fotografia impressa! E quando digo “valor”, não me refiro ao financeiro, mas sim ao valor pessoal e intransferível que somente nós podemos dar àquela recordação que ficará eternizada. Armazenar fotos em discos removíveis (HDs, Pen drives e CDs), ficar vulnerável à vírus e danificações sistêmicas ou guardar um álbum fotográfico impresso e concreto, onde o tempo que durará dependerá somente de como você o mantém? São simples perguntas que servem de respostas ao que realmente queremos.

Quando se contrata um fotógrafo, não se contrata somente um “profissional que clicará momentos de sua festa”. Você contratará um olhar; uma visão sobre o ambiente que o profissional deseja expor em sua lente. São anos de estudos, palestras e investimentos feitos pelo fotógrafo para entregar o que de melhor ele pode te oferecer: o seu trabalho. O trabalho adquirido com esforço, com sabedoria do que se deseja eternizar.

Entrando no meu ramo, que são os casamentos, o que os noivos mais precisam é saber que tipo de imagem desejam ter como lembrança do primeiro dia da formação de sua família. É preciso pensar com bastante critério antes de escolher sua equipe de foto e vídeo. O fotógrafo é quem registrará cada detalhe de todo o planejamento que os noivos fazem meses ou até anos antes do casamento. A entrada dos pais, dos padrinhos e dos noivos, a decoração da festa, os pratos servidos, se não fosse a fotografia, os detalhes acabariam sendo esquecidos com o tempo. Talvez não tenha parado para pensar, mas o registro do seu casamento é a primeira foto oficial da sua recém formada família.

A última coisa que deveria ser pensada, é no valor do papel impresso. Não pense na fotografia como um gasto a parte, pense na fotografia como um investimento do que você precisa ter. É preciso entender que você contrata um profissional para eternizar o dia mais importante da sua vida exatamente da forma que sonhou.

Contrate um olhar capaz de registrar tudo o que você sente, sem que seja preciso de legendas. Ame a fotografia, afine-se com seu fotógrafo. É ele quem vai capitar toda sua emoção e imprimir seus sentimentos, e será ele quem entregará o material que guardarás por toda a sua vida.

Dê a oportunidade de seus netos olharem lá no futuro a foto do seu grande dia, e sentir o que senti ao ver a única fotografia que tenho dos meus saudosos avós.

Apesar de Niépce ter apresentado as primeiras imagens, o título de ‘inventor da fotografia’ ficou com seu colega francês Louis-Jacques Daguerre (1787-1851), com quem trabalhou de 1829 a 1833.

Fotografia: curiosidades e fatos

1. Um estudo realizado na Universidade de New York pelo professor Arthur Aron constatou que, ver a fotografia de alguém amado diminui a dor. A pesquisa foi realizada em 15 voluntários, através de ressonância magnética e evidenciou que, as áreas do cérebro que são ativadas ao visualizar uma foto, reduz em até 44% a dor da pessoa.

2. A fotografia seria inicialmente intitulada “ Heliografia”, nome dado pelo seu criador, Niérce. Porém, o nome definitivo “fotografia” é devido à John Herschel, em 1839.

3. A primeira fotografia colorida é de autoria de James Maxwell, datada em 1861.

4. A primeira câmera fotográfica popular foi industrializada pela Kodak Company, em 1888 e carregava o slogan “você carrega num botão, nós fazemos o resto”.

5. Em 1975, foi criada a primeira câmera digital do mundo, que levava cerca de 23 segundos para digitalizar a imagem.

Fica evidente o quanto é importante o trabalho de um fotógrafo profissional, diante de tudo até aqui. É possível pensar que, quando Niépce tirou a primeira fotografia, ele não teria a dimensão da importância que sua criação teria para a humanidade. O mesmo acontece dentro dos nossos eventos sociais. Niépce eternizou seu nome através de sua fotografia. Hoje, todos podemos utilizar nossos smartphones e tirar fotos. Mas, essas fotos resistirão ao tempo? Cabe a nós mesmos avaliar se é suficiente ter uma foto registrada no nosso celular e ficar vulnerável a contratempos da vida ou tê-las impressas, bem finalizadas e registradas em álbuns que, durante  gerações e gerações, estarão em nossa família.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Theme by binabot software